A IMPORTANCIA DO ESPECIALISTA

Com o aumento da complexidade tecnológica, contatou-se o potencial estético e funcional de se ter um melhor controle da iluminação sobre o espaço arquitetônico e urbano.

Passou a ser cada vez mais necessário o domínio de outras áreas do conhecimento, além da arquitetura; assim surgiram os primeiros profissionais dedicados exclusivamente a esta complexa matéria, geralmente vindos da arquitetura.

Embora a resolução do CAU no. 51/2013 determine a graduação em Arquitetura e Urbanismo como requisito mínimo, a Arquitetura de Iluminação exige domínio de uma série de competências adicionais para o bom exercício da atividade, como a compreensão da luz enquanto matéria e linguagem, os desdobramentos fisiológicos e psicológicos da luz no ser humano, o domínio do substrato técnico necessário à realização dos projetos, o acompanhamento contínuo da evolução tecnológica, bem como, à prática constante nesta atividade.

É importante reforçar que com a velocidade dos processos de projeto cada vez maior, paralelamente a este aumento e renovação constante dos equipamentos disponíveis no mercado por conta da tecnologia, torna-se impraticável para um profissional que não esteja exclusivamente dedicado à esta disciplina abordar a todos os aspectos pertinentes que constituirão um bom projeto de iluminação.

Maiquel Alexandre Arquiteto e Pós-Graduado em Arquitetura de Iluminação, (especialista na área) alia técnica a intuição de desenvolver projetos de iluminação, existe uma crescente compreensão da importância de um bom Projeto de Iluminação em diversas áreas de Luz e Espaços internas e externas, onde a Luz é fundamental para a arquitetura e essencial para o bem-estar humano, e sua qualidade afeta o comportamento humano, conforto, saúde, eficiência, segurança.

Sempre buscou uma nova abordagem para o Planejamento de Luz e Sombra - uma combinação de experiência e conhecimento visual, físico e biológico aplicada ao design, à tecnologia e a à saúde.

Segue a NBR ISO 8995-1, ela especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e as condições para os profissionais desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de atividade. Tal norma aborda aspectos quantitativos e qualitativos da iluminação.